São Paulo – O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), “inflação oficial”do país, variou 0,32% no primeiro mês do ano, acima tanto de dezembro (0,15%) como de janeiro de 2018 (0,29%). Com isso, a soma em 12 meses atinge 3,78%, segundo informou o IBGE na manhã desta sexta-feira (8). O destaque de altas são os preços dos alimentos.

Dos nove grupos pesquisados pelo instituto, oito tiveram alta – a exceção foi Vestuário (-1,15%), com queda nas roupas infantis, femininas e masculinas, além dos calçados, possivelmente relacionada a liquidações de início de ano. A maior variação foi de Alimentos e Bebidas (0,90%), que representou impacto de 0,22 ponto percentual na taxa do mês.

A alimentação no domicílio subiu 0,97% em janeiro, com aumentos de produtos como feijão carioca (19,76%), cebola (10,21%), frutas (5,45%) e carnes (0,78%). O leite longa vida, cujo preço havia caído nos últimos cinco meses, subiu 2,10%, com impacto de 0,02 ponto no índice geral. Já o preço do tomate caiu 19,46%.

Comer fora também ficou mais caro: 0,79%, ante 0,33% em dezembro. Subiram os preços do lanche (0,91%) e da refeição (0,90%).

Despesas Pessoais foi o grupo com a segunda maior alta (0,61%). Segundo o IBGE, contribuíram para essa elevação itens como excursão (6,77%) e hotel (1,06%), em período tradicional de férias. Também aumentaram serviços de manicure (0,85%) e cabeleireiro (0,69%).

Em Transportes, o resultado foi próximo da estabilidade (0,02%), depois da deflação registrada em dezembro (-0,54%). Os combustíveis voltaram a cair, mas de forma menos intensa: -2,09%, ante -4,25% no mês anterior. O maior impacto do mês, para baixo, veio da gasolina (-2,41%), com -0,11 ponto. “À exceção da região metropolitana de Salvador, que registrou alta de 1,50% no preço desse combustível, as demais áreas apresentaram quedas que variaram entre os -5,98% de Aracaju e os -0,31% da região metropolitana do Rio de Janeiro”, informa o instituto. Caíram ainda os preços de etanol (-0,75%), óleo diesel (-1,61%) e passagens aéreas (-3,59%, após alta de 29,12% em dezembro), este último item com impacto de -0,02 ponto.

Já os ônibus urbanos tiveram aumento de 2,67%, com reajustes nas tarifas em cinco das 16 regiões pesquisadas. O impacto foi de 0,07 ponto. O IBGE destaca ainda os reajustes nas tarifas de trem e metrô na região metropolitana de São Paulo, além dos ônibus intermunicipais (também em Belo Horizonte). Houve ainda reajuste na tarifa de táxi no Rio de Janeiro.

Em Habitação (de -0,15% para 0,24%), subiram o aluguel residencial (0,42%) e o condomínio (-0,77%). A energia elétrica recuou -0,13%. Outras altas foram do gás encanado (3,53%) e da tarifa de água e esgoto (0,31%).

Entre as áreas pesquisadas, o IPCA teve deflação nos municípios de Rio Branco (-0,09%) e Goiânia (-0,17%). A maior taxa foi da região metropolitana de Belo Horizonte: 0,70%. Em seguida, vêm Rio de Janeiro (0,47%), Salvador e São Paulo (ambas com 0,37%).

Em 12 meses, o IPCA vai de 2,71% (região metropolitana de Fortaleza) a 4,37% (Rio de Janeiro).
INPC

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) variou 0,36%, também acima de dezembro e janeiro do ano passado. Em 12 meses, foi a 3,57%.

Os produtos alimentícios subiram 0,90%, enquanto os não alimentícios variaram 0,13%.

 

Fonte: RBA

Artigos Relacionados
Leia mais em DESTAQUES

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Veja também

Países da União Europeia aprovam reforma de direitos autorais

Os países integrantes da União Europeia (UE) deram hoje (15) sinal verde a um pacote de re…