A Federação Interestadual dos Trabalhadores e Pesquisadores em Serviços de Telecomunicações – FITRATELP e seus sindicatos filiados manifestam por meio desta NOTA PÚBLICA seu posicionamento acerca da extinção do Ministério do Trabalho, anunciada recentemente pelo presidente eleito Jair Bolsonaro nos veículos de comunicação.

Na avaliação da EXECUTIVA DA FITRATELP, a decisão do presidente eleito é um ataque direto à classe trabalhadora brasileira, que assiste de forma atônica a extinção de um orgão federal tão importante para a promoção de políticas públicas voltadas ao cumprimento das leis, condições de trabalho dignas, fiscalização, combate ao trabalho escravo e valorização dos trabalhadores brasileiros.

Diante disso, alertamos a sociedade que esta medida do presidente eleito faz parte de um conjunto de ações que visam enfraquecer a classe trabalhadora e o movimento sindical, bem como as instituições públicas e civis de proteção aos direitos dos trabalhadores. O fim do Ministério do Trabalho, um órgão criado há 88 anos [26 de novembro de 1930], é uma trajédia para os trabalhadores que sofrem com práticas tão perversas e desumanas nas relações de trabalho.

Finalmente, a EXECUTIVA DA FITRATELP e sindicatos filiados estão atentos às ações políticas predatórias do governo que assume a Presidência da República em 1º de janeiro de 2019. Mais que isso, precisamos estar preparados para os desafios que teremos pela frente, uma vez que somente unidos e organizados seremos capazes de resistir os ataques aos direitos trabalhistas e à precarização das condições de trabalho.

Brasília, 5 de dezembro de 2018.
EXECUTIVA DA FITRATELP

Artigos Relacionados
Leia mais em FITRATELP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Veja também

22 de março é dia de mobilização e luta contra a reforma da Previdência

Decisão foi tomada nesta terça em reunião da CUT e outras nove centrais sindicais. Para Va…