Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

 

Decisão do STF sobre a terceirização da atividade-fim significa depreciação do trabalhador e desvalorização do trabalho

A Federação Interestadual dos Trabalhadores e Pesquisadores em Serviços de Telecomunicações – FITRATELP e seus sindicatos filiados manifestam publicamente sua preocupação após a decisão do Supremo Tribunal Federal – STF, na quinta-feira 30/08, que autorizou a terceirização irrestrita das atividades-fim das empresas. Na qualidade de representantes de significativa parte de trabalhadores terceirizados em Telecomunicações, tele atendimento, Call centers e Lojas de atendimento das Operadoras de Telecomunicações em todo território nacional, declaramos que somos contrários a esta degradação de contratos tendo em vista que significa na prática a redução de salários e benefícios, supressão de direitos e a precarização das relações de trabalho no Brasil.

No setor de telecomunicações a terceirização de atividades tem sido um agente de degradação dos serviços e desvalorização do trabalho com as sucessivas trocas de empresas terceirizadas por contratos cada vez mais achatados e consequentemente com condições cada vez mais depreciadas ao trabalhador.

Em uma economia estagnada e com mais de 13 milhões de desempregados, correspondendo a mais de quatro vezes a população de Brasília, a lei do mais forte prevalece e os contratos se sucedem em condições cada vez mais precárias provocando a ampliação da rotatividade e elevação do número de acidentes de trabalho, gerando prejuízos incalculáveis tanto aos trabalhadores quanto ao Estado, afetando principalmente o Sistema Único de Saúde e a Previdência Social.

Ao contrário do que seria esperado, o poder judiciário enquanto conhecedor dos julgados sobre as mazelas da terceirização, deveria agir para extirpar esse mal das relações de trabalho diante das sucessivas reincidências de descumprimento da Lei, a Corte Suprema da Nação decidiu, por 6 votos a 5 dos seus ministros, aceitar a terceirização das atividades-fim das empresas. No entendimento da federação, não foram analisados os impactos maléficos que a terceirização já causa na vida de milhões de trabalhadores, que convivem com doenças laborais, pressões, mutilações, humilhações e os mais diversos tipos de assédios no ambiente de trabalho terceirizado.

Finalmente, alertamos a sociedade que a terceirização irrestrita significa a aceleração do processo de precarização no setor produtivo do país, sem empregos de qualidade e remuneração justa. A terceirização não gera empregos nem favorece a criação e a especialização da produção brasileira. Diante dessa nefasta decisão do STF, continuaremos no embate fortalecendo a luta contra a terceirização e em defesa dos interesses coletivos dos trabalhadores que representamos.

Brasília-DF, 31 de agosto de 2018.

Executiva da FITRATELP

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.
Artigos Relacionados
Leia mais em FITRATELP

Veja também

Setembro amarelo | alerta para o número de suicídios no País

Mortes por este motivo é muito maior do que o gerado em decorrência da AIDS ou Câncer …