Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

A luta e mobilização dos trabalhadores e das trabalhadoras da agricultura familiar, que reverteu a Medida Provisória 842 na Câmara dos Deputados, nesta quarta-feira (5), pode impactar diretamente o emprego no campo e a produção e no preço dos alimentos, beneficiando milhares de famílias de agricultores. Agora, a luta é para a MP seja aprovada no Senado.

A MP 842/18 foi apresentada no último dia 25 de junho pelo ilegítimo e golpista Michel Temer (MDB-SP) com alterações nos pontos das Leis n° 13.340 e n° 13.606. A proposta era de anular a renegociação de dívidas rurais nos financiamentos do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), do Programa de Cooperação Nipo-Brasileira para o Desenvolvimento dos Cerrados (Prodecer) e do Programa Especial de Crédito para a Reforma Agrária (Procera). A MP também revogaria o desconto, de até 95%, para liquidação de débitos de produtores rurais com linhas de financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Durante o mês de agosto, a Confederação Nacional dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares (CONTAG) e as Federações filiadas participaram de reuniões com o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), com o líder do governo na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), e também fizeram mobilização nas ruas, nas redes, no Congresso Nacional e nas bases eleitorais dos parlamentares e conseguiram incluir emendas e recuperar, ainda na Comissão especial, grande parte dos pontos positivos previstos nas duas leis, bem como incluir novos itens como o Procera.

O Plenário da Câmara aprovou o texto, que retoma algumas condições vetadas por Temer quando da sanção das Leis 13.606/18 e da 13.340/2016, sem destaques por acordo de líderes, sem necessidade de votação nominal e seguiu para o Senado.

O texto, que é originário de MP, tem prioridade na próxima sessão no Senado, programada para o próximo dia 10 de outubro e inclui as dívidas de agricultores e agricultoras familiares de todas as regiões brasileiras contratadas de 2006 até 2011. Para o semiárido nordestino, norte de Minas Gerais, inclusos os Vales do Jequitinhonha e do Mucuri, e norte do Espírito Santo permaneceram os percentuais de 95% de desconto como garante a Lei 13.606/2018. Para os demais municípios dessas regiões e das demais houve redução linear de 10% dos descontos originais.

O Projeto de Lei também estendeu o prazo para a renegociação das dívidas até dezembro de 2019 e foram mantidas as condições de repactuação de dívidas pelo Fundo Constitucional de Desenvolvimento do Nordeste (FNE) e Fundo Constitucional de Desenvolvimento da Região Norte (FNO), previstas na Lei 13.606/2018. O Fundo Constitucional de Desenvolvimento da Região Centro-Oeste (FCO) e demais regiões do País terão renegociadas as dívidas feitas até 2006 com rebate de 60%, e as dívidas feitas entre 2007 a 2011 terão rebate de 30%.

Endividados devido à seca e outras condições climáticas, os agricultores familiares de todo o Brasil já podem planejar o pagamento ou quitação de dívidas e a reestruturação do processo de produção, como explica a vice-presidenta da CUT, Carmen Foro.

“A CONTAG teve pressa para negociar esta medida porque além de prejudicar a cadeia produtiva, aumentando preços e piorando a qualidade de vida do produtor, a MP tinha um prazo de validade até novembro deste ano e as pessoas teriam até dezembro para acessassem o benefício, já que o ano que vem teremos outro governante”, disse Carmen.

Segundo ela, se esperasse a MP caducar em dezembro a Lei que garantia o desconto de 95% iria voltar a valer, porém não ia dar tempo de as pessoas renegociarem as suas dívidas.

“Além da demora burocrática dos bancos, com a eleição esse processo iria ficar mais lento e não daria tempo para as famílias resolverem seus problemas”, explica a vice-presidenta da CUT.

“Esta conquista foi fundamental para as famílias pagarem ou quitarem suas dívidas e voltarem a produzir já que uma família de agricultores que deve R$ 10.000,00 com a renegociação de dívidas no semiárido nordestino, por exemplo, pagará apenas R$ 500,00 e o governo completará o resto do valor em nome do agricultor e ele poderá acessar um novo crédito e reiniciar o processo produtivo”, explicou Carmen.

Já na avaliação do presidente da CONTAG, Aristides Santos, o texto aprovado não é o ideal, principalmente para as Regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul, mas com o aumento do prazo a entidade continuará na luta.

“A CONTAG defendia a renegociação das dívidas até 2015 e em iguais condições para todas as regiões. Mas foi o possível de ser negociado para não prejudicar os agricultores e agricultoras familiares em função do prazo previsto anteriormente na MP. Não podemos deixar os agricultores e agricultoras familiares endividados”.

Segundo Aristides, a CONTAG vai construir uma nova proposta de projeto para atender melhor as regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul, bem como incluir os anos de seca no Nordeste e as dívidas do Norte.

Mesmo assim, diz o presidente da Contag, “só em garantir o retorno das famílias ao acesso ao crédito e à produção resolvendo as dívidas até 2011 foi extraordinário”.

Ele explicou que as regiões do semiárido e do norte de Minas foram priorizadas porque nelas vivem os trabalhadores e trabalhadoras mais endividados, o maior índice de pobreza e o menor de Desenvolvimento Humano e, também, porque são as produções mais prejudicadas com as mudanças climáticas.

Na negociação entre entidades de trabalhadores e governo foi incluído mais segmentos, como a agroindústria, cooperativas e regularização fundiária, que também poderão renegociar suas dívidas com os mesmos critérios.

Além disso, o acordo prevê que nada mudará no Senado e depois de publicado passará a valer. Porém, o Banco Central e os bancos privados terão que mudar normas e sistemas para atender as novas condições, demorando em torno de 30 a 60 dias. A vantagem é que agora, as famílias de agricultores terão até dezembro de 2019 para dar entrada no benefício.

Segundo o coordenador da Confederação Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar do Brasil (Contraf-Brasil), Marcos Rochinski, é muito importante essa conquista após tantas perdas e ataques contra a classe trabalhadora.

“Na prática eles vão recolocar no mercado milhares de famílias e isso significa uma melhor condição de vida destas pessoas que vão voltar a produzir alimentos que terão impacto direto na economia e no bolso da população brasileira”, afirmou Marcos Rochinski.

Para a secretária de Formação da CUT Nacional, Rosane Bertotti, o que ficará marcado será a capacidade de mobilização dos trabalhadores.

“Num momento de crise como estamos vivendo é uma grande vitória, afinal são os agricultores familiares que produzem mais de 70% dos alimentos das nossas mesas e da maioria dos produtos da cesta básica”, finalizou Rosane.

Fonte: CUT

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.
Artigos Relacionados
Leia mais em CUT

Veja também

Autor de comentários racistas no Facebook vira réu na Justiça Federal

Internauta que disse que negros são “desprovidos de inteligência” está sujeito a pena de p…