Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Escrito por: Vanessa Ramos, CUT São Paulo

O desmonte trabalhista promovido pelo ilegítimo e golpista Michel Temer (MBD-SP) está atingindo diversas categorias do País e o setor aéreo brasileiro começa a sentir os efeitos da reforma trabalhista e da liberação da terceirização irrestrita.

A Latam Airlines anunciou nesta segunda-feira (20) que irá demitir cerca de 1,3 mil trabalhadores e trabalhadoras e substituirá a força de trabalho direta por terceirizados. A medida atingirá o Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo, e o Aeroporto Internacional Tom Jobim, o Galeão, no Rio de Janeiro.

Os setores de rampa e limpeza (ground handling), de gestão de equipamentos de solo (exceto aeronaves), e de atendimento a clientes com bagagens perdidas ou danificadas (lost luggage) passarão a ser responsabilidade da prestadora de serviços Orbital/WFS, que já assinou contrato.

Em nota à CUT São Paulo nesta terça-feira (21), a Latam, resultado da fusão entre a chilena LAN e a brasileira TAM, afirma que as mudanças estão previstas para a primeira semana de setembro.

Para o presidente do Sindicato dos Aeroviários de Guarulhos (Sindigru), Rodrigo Maciel, a previsão de demissão em massa anunciada pela empresa é resultado da reforma trabalhista, em vigor desde novembro de 2017, que retirou uma série de direitos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

“Estamos assistindo a aplicação de uma lei cruel para a classe trabalhadora implementada por este governo ilegítimo de Temer e seus apoiadores”, critica o dirigente.

Segundo Maciel, a Latam, maior grupo de transporte aéreo da América Latina, caminha na contramão da garantia de segurança no setor e do respeito aos direitos dos trabalhadores.

“Toda a estratégia de terceirização da empresa para reduzir custo por meio da força de trabalho e da precarização das condições trabalhistas irá impactar diretamente na qualidade dos serviços para a sociedade e pode colocar em risco até mesmo a segurança de voo”, denuncia o presidente do Sindigru.

A terceirização, além de significar o rebaixamento de direitos dos trabalhadores, não terá uma gestão direta, explica o dirigente. “Isso é perigoso, pois na aviação algumas decisões precisam ser rápidas, não podem demorar devido à complexidade do setor.”

O anúncio das mil demissões em Guarulhos foi feito ao sindicato nesta segunda-feira, após a pressão da categoria que, no sábado (18), realizou mobilizações no aeroporto para cobrar um posicionamento da empresa. No Rio de Janeiro, o corte atingirá cerca de 350 trabalhadores e trabalhadoras, que também estão mobilizados para evitar o desemprego e a precarização do trabalho.

Com data-base em 1º de dezembro, o sindicato deve intensificar suas ações a partir de agora, anuncia Maciel. A entidade irá protocolar a pauta dos trabalhadores até a primeira quinzena de setembro. Em outubro, terão início as negociações da Campanha Salarial.

Confira a nota da Latam, enviada à CUT São Paulo, nesta terça-feira (21):
A Latam Airlines Brasil informa que, a partir da primeira semana de setembro, toda a sua operação de rampa e limpeza (ground handling), gestão de equipamentos de solo (GSE) e atendimento a clientes com bagagens perdidas ou danificadas (Lost Luggage) no aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, e do Galeão, no Rio de Janeiro, passará a ser feita pela Orbital – WFS, empresa especialista nesta modalidade de serviços aeroportuários.

A Latam estabeleceu um sistema de gestão integrado com a Orbital – WFS para assegurar a eficiência e a manutenção da qualidade dos serviços prestados. A companhia também abriu um processo de negociação com os sindicatos envolvidos e não está medindo esforços para realocar internamente o maior número possível de pessoas. A medida não afeta outros aeroportos.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.
Artigos Relacionados
Leia mais em CUT

Veja também

Haddad assume compromisso com trabalhadores e afirma que vai devolver direitos

Presidenciável do PT fez a afirmação ao receber um documento do movimento sindical que ped…